M&S
ITA
ENG
FRA
ESP
POR
RUS
 


FUSION

Moagem

Peneiramento

Para Sal

Para Colas

Coloração a Seco

Moagem a Seco para Ceramica

Gres Porcellanato

Ceramica Vermelha

Micronização de Materiais Duros

Recuperação Dos Descartes Cerâmicos

Moagem De Carvão

Bagaço De Azeitona

Barita

Peneiramento Do Açúcar

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MICRONIZAÇÃO DE MATERIAIS DUROS PARA GRÉS PORCELANATO

Pdf

MICRONIZAÇÃO DE MATERIAIS DUROS PARA GRÉS PORCELANATO

Para melhor compreender a situação tecnológica atual referente ao estado da técnica na produção de pastas para o grés porcelanato, é necessário fazer algumas breves considerações sobre os problemas produtivos que estão afetando um importante segmento do mercado de azulejos cerâmicos para a construção civil.
A diferente formulação das pastas para a produção do grés porcelanato, na qual a percentagem de materiais duros (feldspatos e areias) é superior relativamente à das pastas para a monoqueima tradicional em pasta branca, comporta, obviamente, tempos de moagem mais longos. Mas é principalmente na metodologia de moagem requerida onde procurar a causa principal da drástica redução de produtividade dos moinhos a úmido, sejam eles contínuos ou descontínuos.

Ter de produzir um material como o grés porcelanato, no qual a homogeneidade de composição é uma exigência essencial e no qual o padrão de qualidade deve atender a características bem específicas, tais como: compacidade estrutural, resistência mecânica, resistência ao ataque químico e à abrasão (dureza), insensibilidade ao gelo e resistência às manchas, comporta necessariamente uma exasperação dos ciclos de moagem no processo a úmido.
A conseqüência natural destes fatores é a diminuição da produtividade causada, como já dissemos, tanto pelo aumento da quantidade de materiais duros na pasta, como pela necessidade de obter na prensa um material semi-transformado que permita produzir um produto final (na saída do forno) com a máxima greificação e, portanto, com absorção igual a zero.

A exigência de manter a granulometria abaixo de 50 μm (e com a maior parte do material entre 30 e 40 μm) é um objetivo, com o processo a úmido, produtiva e economicamente pouco rentável e tem como principal conseqüência o fato que, em um moinho contínuo comum a úmido dimensionado para produzir 30 ton/h com uma pasta para monoqueima, a capacidade produtiva é reduzida a até 10-12 ton/h quando se produz uma pasta para grés porcelanato.

Vem daqui a necessidade de moer os materiais duros separadamente, com métodos de moagem a seco muito mais eficazes e específicos para as suas características físico-químicas: o emprego do moinho a úmido limita-se apenas a uma fase de mistura dos feldspatos micronizados com as argilas plásticas, para assim reconduzir a produtividade destas máquinas pelo menos aos valores iniciais.
Caso se deseje evitar também esta última fase, eliminando completamente o emprego dos moinhos horizontais, pode-se pensar em amalgamar a mistura de argilas plásticas (desde que sejam suficientemente limpas) com os feldspatos micronizados no interior de turbodissolvedores comuns.
Esta solução permite evitar os grandes custos relacionados com o gerenciamento dos moinhos horizontais a úmido.

A LINHA MICRO-DRY PARA MICRONIZAÇÃO DE MATERIAIS DUROS PARA GRÉS PORCELANATO

Uma das mais importantes inovações desenvolvidas pelo Setor Tecnológico da Manfredini & Schianchi nos últimos anos foi o estudo aprofundado da micronização a seco dos materiais duros da pasta para a produção de grés porcelanato.

MICRONIZAÇÃO DE MATERIAIS DUROS PARA GRÉS PORCELANATO

Podendo contar com o conhecimento de trinta décadas na preparação das matérias primas por via "seca" e servindo-se da experiência e tecnologia provenientes de outros setores, enriquecidas e aperfeiçoadas em todos os seus aspectos-chave, para garantir um controle completo da qualidade do produto final, foram desenvolvidas linhas completas de secagem-micronização que são tecnologicamente muito avançadas dos pontos de vista tanto da automatização, como da gestão e da absoluta tranqüilidade de trabalho.
As novas linhas Micro-Dry, com capacidades produtivas que vão de 5 a mais de 35 ton/h, são constituídas por um núcleo central, formado pela máquina de secagem–moinho, e pelo separador dinâmico de última geração.

Um objetivo importante dos pontos de vista das instalações (linha mais compacta e menores custos de gestão) e tecnológico (total ausência de poluição), é representado pela possibilidade de utilizar matérias primas com umidades específicas de 8-10% e com tamanhos dos grãos de 0 a 5 mm (com a possibilidade de receber também material mais grosseiro) e alimentá-las diretamente no moinho, evitando assim os problemas relacionados com os sistemas tradicionais de secagem.

MICRONIZAÇÃO DE MATERIAIS DUROS PARA GRÉS PORCELANATO

Apesar do moinho representar o coração do equipamento, o ponto-chave desta tecnologia está na precisão que pode ser obtida com os separadores dinâmicos de última geração da MS.
De fato, é o dimensionamento perfeito deste binômio que possibilita uma classificação bem intensa (granulometria abaixo de 50 μm), precisa e contínua com o passar do tempo, fornecendo assim aquelas garantias de qualidade e compacidade estrutural que o grés porcelanato requer.

O know-how que orienta o projeto de toda a linha de equipamentos segue completamente esta prioridade cerâmica, ou seja, a de ter cortes de separação nítidos, com percentagens de resíduo próximas do zero.
A continuidade produtiva do moinho e a precisão dos separadores dinâmicos da MS, com elevado grau de separação, fornecem à linha as potencialidades tecnológicas de que necessita.
Toda a planta, cuja complementação natural está nos equipamentos de preparação da mistura e nos sistemas de estocagem e carga caminhões-tanques, representa uma evolução relativamente ao estado atual da técnica.
É evidente, de fato, o "gap" tecnológico e de processo que garante a continuidade e a repetibilidade das misturas com o passar do tempo, isso também para o que se refere à preparação das matérias primas, obtidas graças a sistemas de extração e pesagem contínua com tolerância reduzida a 1% e completamente gerenciada por uma supervisão eletrônica.

O projeto das linhas Micro-Dry parte de uma análise aprofundada das matérias primas, realizada nos nossos laboratórios e averiguada na planta piloto, e que assume uma importância fundamental para o dimensionamento correto do equipamento.
Em função dos resultados de moabilidade obtidos e das exigências produtivas requeridas, passa-se ao dimensionamento, para cada caso, do grupo composto pelo secador-moinho-separador.
A colaboração contínua entre os nossos engenheiros, responsáveis técnicos e técnicos-cerâmicos das indústrias que utilizam esta tecnologia, permite mais um grau de afinação dos pontos de vista tanto cerâmico, como de equipamentos.

OS CUSTOS

Relativamente ao aspecto econômico, é importante ressaltar como o custo correspondente à transformação de uma tonelada de matéria prima (ou seja, custo de secagem, custo de moagem, custo de manutenção e custo de mão-de-obra), fique bem abaixo dos 12 €/ton e inclua também a cota de amortização.
Além disso, o investimento deve ser considerado correlacionado à possibilidade de restabelecer a produtividade das linhas de moagem a úmido, até os valores que eram obtidos anteriormente.

Dimensões do grupo secador-moinho:
~ 15000 x 8000 h 14000
Material na alimentação:
mistura de feldspatos
Tamanho dos grãos na entrada:
0-8 mm
Umidade na entrada do secador-moinho:
8-10%
Produção horária:
10-11 ton/h
Corte granulométrico
< 50 μm di cui 80% <20 μm
Potência instalada no moinho:
500 kW
Potência consumida pelo moinho:
400 kW
Potência consumida para cada tonelada de matéria prima moída:
~ 40 kW
kg de allubit que é necessário reintegrar para cada tonelada de material moído:
~ 1
Metros cúbicos de metano necessários para secar uma tonelada de material:
~ 6
Mão-de-obra necessária para controlar e efetuar a manutenção de toda a linha de equipamentos no arco de 24 horas:
3 + 1

A tabela mostra como o custo total de gestão, incluindo a mão-de-obra, energia elétrica e energia térmica, custo de pessoal encarregado do equipamento, ou seja, o custo de transformação seja igual a 8,80 €/ton

É importante ressaltar também que, para uma linha de 10 ton/h (10 ton/h x 22 h/dia x 300 dias/ano = 66.000 ton/ano), a cota de amortização é de cerca de 3 €/t que, somada ao dado anterior resulta em um custo de transformação global de 11,80 €/t.

VANTAGENS TECNOLÓGICAS NO PRODUTO FINAL

Um estudo feito pelo Departamento de Engenharia dos Materiais da Universidade de Trento tentou compreender e resolver o problema da sujabilidade do grés porcelanato técnico.

Para este defeito, presente com maior intensidade nos produtos polidos comparados com os brutos, ainda não foram definidas normas claras e uma padronização dos métodos de medição.
No estudo foram utilizados como indicadores de sujabilidade os poros superficiais compreendidos entre 1 e 10 μm. Comparando os dados relativos às porosidades médias dos azulejos tanto brutos, como polidos, observou-se que a absorção cresce constantemente nos segundos.
Comparando ainda as várias análises químicas com os valores da porosidade, constatou-se que estas análises não ajudam a compreender o motivo da diferença de sujabilidade.

Outras alternativas para solucionar este problema poderiam ser:

- Aumento dos tempos e das temperaturas de queima
- Aumento dos tempos de moagem de toda a pasta

Ambos estes procedimentos não foram considerados funcionais do ponto de vista econômico porque comportariam custos produtivos demasiado elevados.

O estudo demonstrou que os vários tipos de pasta que contêm uma matéria prima dura ou feldspática com granulometria < 45 μm, dão origem a azulejos nos quais, substancialmente, a porosidade aberta superficial tende a diminuir.
O microscópio eletrônico demonstrou claramente que esta porosidade, também nos azulejos polidos, tem uma tendência nítida a diminuir se nas pastas for introduzido feldspato com granulometria = < 45 μm.
Fica portanto claro que existe uma correlação entre as granulometrias das matérias primas individuais e a diminuição da sujabilidade.
Em especial, o estudo mostrou como a presença de feldspatos introduzidos já a 45 μm em uma pasta para a produção de grés porcelanato favorece a eliminação completa da sujabilidade mantendo o ciclo produtivo tradicional e aumentando significativamente a quantidade moída, evitando assim os eventuais aumentos da temperatura de queima ou uma moagem de toda a pasta a granulometrias inferiores a 45 μm com o moinho a úmido que, como vimos, são particularmente caros.

Os dados fornecidos são indicativos e podem ser alterados sem aviso prévio

 

 


Via G.M. Dallari, 2 - 41049 Sassuolo (MO) - Italy
Tel. +39-0536-801207 Fax: +39-0536-807248
Email: sales@ms-plants.it